Primeira injeção semanal para tratar obesidade é aprovada pela Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a primeira medicação injetável de aplicação semanal para tratar a obesidade do País. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira, 2. O tratamento com a caneta de semaglutida (2,4 mg), que já recebeu aval em países como Estados Unidos e Canadá, deve ser feito com supervisão médica.

A substância – que é aprovada para tratar o diabete tipo 2 no País, mas em dosagem menor – pode fazer com que pacientes percam, em média, 15% do peso corporal em pouco mais de um ano. A semaglutida consiste em um hormônio que sinaliza ao cérebro a sensação de saciedade. A aplicação subcutânea ocorre uma vez por semana e já é testada por pesquisas científicas.

Como mostrou o Estadão há um ano, o método, desenvolvido para tratamento do diabete, se revelou como um importante aliado no combate à obesidade. Um dos principais estudos que indicam como a caneta pode ser útil para pacientes com obesidade, segundo especialistas, foi publicado em março de 2020 na revista científica The New England Journal of Medicine.

 

Os pesquisadores demonstraram que, quando combinada a uma alimentação regrada e ao aumento da atividade física, a dosagem semanal de 2,4 mg de semaglutida propiciou perda média de peso de 15,2%, ante 2,6% no grupo placebo – a dosagem usada para tratar a obesidade é quase o dobro dos 1,3 mg usados para tratar o diabete tipo 2.

 

“É a medicação que chega com estudos demonstrando a maior potência em termos de redução percentual do peso”, afirma o médico endocrinologista Paulo Miranda, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

 

Participaram dos testes 1.961 adultos com alto índice de massa corpórea, que foram acompanhados durante 104 semanas. Não houve ocorrência de efeitos colaterais graves, mas foram relatados eventos gastrointestinais, como náusea e vômito, o que reforça a necessidade de acompanhamento médico.

 

Conforme Miranda, os estudos não têm demonstrado efeitos adversos mais graves ou de maior preocupação. “De maneira geral, a medicação é bem tolerada, porque os efeitos colaterais são reversíveis, com a redução da dose ou com a suspensão da medicação”, explica o endocrinologista.

 

Como resultado, a caneta, cujo nome comercial no exterior é Wegovy, foi aprovada no mesmo ano do estudo pela agência reguladora dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) para tratar o sobrepeso e a obesidade, um dos principais problemas enfrentados pelos americanos. Também recebeu aval da Europa e do Canadá.

 

No Brasil, a farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk, que comercializa o produto, solicitou no fim de 2021 o uso da caneta à Anvisa para tratar a obesidade. Após passar por análise, o pedido agora foi aprovado, mas ainda não há previsão de quando irá chegar ao Brasil ou quanto irá custar.

 

“Devemos celebrar o fato de ter mais uma medicação para o tratamento da obesidade”, diz Miranda. “Mas é importante ressaltar que o tratamento da obesidade, que é uma doença crônica, complexa e multifatorial, não é apenas por terapia farmacológica. Envolve tratamento médico e multidisciplinar.”

 

Para a diretora da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), a médica endocrinologista Cynthia Valerio, “a aprovação da semaglutida para o tratamento da obesidade pela Anvisa é uma enorme conquista para os pacientes com obesidade e sobrepeso no Brasil”.

 

“É uma medicação que vem inaugurando uma nova era no tratamento da obesidade”, afirma. Ela reforça que os estudos sobre o medicamento apontam que o tratamento pode propiciar uma perda de peso sustentada de, em média, 17% do peso corporal em cerca de um ano e meio de uso.

 

Mas ela também pondera que o tratamento deve ser aliado junto a outras ações. “O remédio apoia a mudança do estilo de vida, mas nunca deve ser encarado como um tratamento isolado”, reforça Cynthia. “A obesidade hoje é um problema de saúde pública tão grande que a gente tem que pensar como uma arma a mais, que vem agregar junto a outras já existentes.”

 

Caneta de liraglutida

A caneta de liraglutida, também desenvolvida pela Novo Nordisk, já está aprovada pela Anvisa para tratamento da obesidade. Diferentemente da semaglutida, no entanto, ela é de aplicação diária.

 

Não há estudo comparativo entre a efetividade das duas substâncias para tratar a obesidade, mas uma pesquisa conduzida pela farmacêutica dinamarquesa apontou que a Saxenda pode diminuir a massa corporal em até 8% após administração por um ano – índice menor que o apresentado pela semaglutida.

 

Com informações: Estadão

Foto: Myskin/Adobe Stock

 

Compartilhar agora