Cinco notícias boas sobre o Coronavírus no Brasil e no mundo, se liga:

1 – Cientista americano usa anticorpos da SARS pra matar coronavírus

 

Um cientista da Califórnia, nos EUA, acredita ter encontrado em anticorpos da SARS uma forma de matar o novo coronavírus. O Dr. Jacob Glanville é CEO da Distributed Bio – um dos médicos do documentário da Netflix, Pandemia – e o estudo dele está entre os 60 destacados pela Revista Científica de Engenharia Genética e Biotecnologia – GEN. Em entrevista à Rádio Nova Zelândia,  Jacob contou que sua equipe usou cinco anticorpos que neutralizaram a SARS em 2002 e os adaptou para atacar o COVID-19, a doença causada pelo vírus.

 

O médico contou à Rádio a que está tentando acelerar a fabricação do medicamento, que geralmente leva de nove a 12 meses.

 

Glanville disse que ele e seus colegas estão em contato com o governo dos EUA sobre a possibilidade de conduzir um estudo sobre a utilidade do tratamento. Se um estudo for concluído mostrando eficácia e segurança, o medicamento poderá ser usado para o chamado uso compassivo: “Isso foi usado na crise do Ebola. E tem sido usado em outros casos em que, se você tem algo que é eficaz, e não há outro bom remédio”, disse ele à Radio New Zealand. “Isso pode ser já em setembro. É o mais rápido que podemos conceber para ter este medicamento amplamente disponível”, afirmou.

 

2 – Paciente idosa de 97 anos vence o coronavírus no Recife

 

Uma paciente idosa, de 97 anos, teve cura clínica do coronavírus confirmada no Recife. Ela é mãe de uma mulher de 66 anos, que foi um dos primeiros casos confirmados de Covid-19 na capital de Pernambuco e também foi curada da doença, em 20 de março.

 

A idosa de 97 anos é a 14ª infectada pelo novo coronavírus a se recuperar da doença no Estado. A informação foi dada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) nesta terça-feira, 31.

 

3 – 156 mil pessoas já se recuperaram do coronavírus: ranking dos países

 

Das 741 mil pessoas que contraíram coronavírus no mundo, 156.838 mil se recuperaram da doença, até as 11 horas da manhã desta segunda, 30. Mas não baixe a guarda do isolamento social! Os números são do painel online da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, que atualiza o tempo todo os casos de covid-19 no planeta.

 

O país com mais pessoas recuperadas até agora é a China. São mais de 75 mil livres da doença, de acordo com dados oficiais chineses.

 

  1. China – 75,9 mil pessoas recuperadas
  2. Espanha – 16,7 mil
  3. Irã -13,9 mil
  4. Itália – 13 mil
  5. Alemanha – 9,2 mil
  6. França – 7,2 mil
  7. Coréia do Sul – 5,2 mil
  8. EUA – 4,8 mil
  9. Suíça – 1,8 mil
  10. Bélgica – 1,5 mil

O Brasil aparece em 29º no ranking, com 120 pessoas recuperadas da doença – até o fechamento desta matéria.

 

4 – Johnson & Johnson vai fabricar 1 bilhão de vacinas contra coronavírus

A Johnson & Johnson, em parceria com o governo dos EUA, vai fabricar até um bilhão de doses de vacina contra o coronavírus.

 

A vacina escolhida, é a que vem sendo desenvolvida desde janeiro, baseada na mesma tecnologia usada para fabricar a vacina contra o Ebola, amplamente usada em pessoas na África.

 

Em estudos de laboratório, a vacina experimental produziu fortes anticorpos neutralizantes contra o covid-19 – o tipo necessário para obter um resultado bem-sucedido.

 

A produção vai começar após os testes em humanos, previstos para setembro. Se tudo estiver certo, a imunização começa em 2021, muito mais rápido que o período de 18 meses típico para vacinas serem testadas, aprovadas e depois fabricadas.

 

Corrida contra o tempo

 

Com um investimento que chega a US$ 1 bilhão, pouco mais de R$ 5 bilhões, a Johnson & Johnson anunciou que pretende ampliar sua capacidade de fabricação e o planejamento, segundo a empresa, começa agora. “Essa é a única opção para chegarmos a tempo”, explicou o diretor científico da J&J, Paul Stoffels, em entrevista à Reuters.

Atualmente, a empresa possui uma fábrica na Holanda que pode produzir até 300 milhões de doses da vacina, disse Stoffels, acrescentando que “não será suficiente para todo o mundo”.

 

Fábrica nos EUA

 

Do total do investimento, US$ 421 milhões, cerca de R$ 2 bilhões, virão do governo dos Estados Unidos, onde a fábrica será construída para produzir as vacinas até o final do ano.

 

Stoffels disse que a J&J também está procurando por fábricas em outras partes da Europa e Ásia capazes de produzir o tipo de vacina em que a empresa está trabalhando.

 


5 – Empresas brasileiras que estão na corrente do bem contra covid-19

 

A força da solidariedade! Numa verdadeira corrente do bem, cresce dia a dia o número de empresas brasileiras que se apresentam para colaborar no combate à pandemia do coronavírus. E como sempre fazemos no SóNotíciaBoa, vamos divulgar abaixo, com muito orgulho, os nomes de mais de 40 grandes empresas que estão fazendo a diferença. Quem sabe isso incentive outros empresários a tomarem iniciativas sublimes parecidas.

 

São doações em dinheiro, materiais e alimentos para ajudar a população e a saúde pública neste momento de preocupação. O dinheiro está sendo usando para a compra de equipamentos, suprimentos básicos, testes rápidos, cestas básicas, álcool gel e outros itens de higiene para proteção de profissionais da saúde, que seguem firmes na linha de frente, e comida para quem tem fome.

 

Corrente do bem

Gerdau e a Ambev estão ajudando a Prefeitura municipal de São Paulo e o Hospital Israelita Albert Einstein na construção dos hospitais de campanha. A Gerdau oferece o aço – principal matéria prima para a construção – e a Ambev atua na gestão do projeto previsto para ser finalizado até 30 de abril. A Ambev também começou a produzir álcool gel e já entregou os primeiros lotes para hospitais públicos das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Serão feitas 500 mil unidades e cada hospital vai receber 5 mil unidades.

 

Álcool em gel

 

Amend, Avon, Natura, São Martinho, União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Diageo, Pernod Ricard, Ype e Weg anunciaram que vão produzir álcool gel e distribuir em estados como São Paulo, Bahia, Ceará, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina. Natura e Avon também doaram 2,8 milhões de unidades de sabonetes (em barra e líquido) para comunidades em situação de vulnerabilidade social nos estados em que possui operação. A Ype doou 21 toneladas de sabão em barra para Paraisópolis.

 

JBS informou que está doando dois milhões de sabonetes que serão distribuídos em mais de 300 mil kits a partir do dia 30 deste mês em lares de idosos próximos às fabricas do grupo e favelas das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, com apoio da Central Única das Favelas (Cufa) para distribuição.

 

Unilever anunciou a doação de 600 mil itens de higiene e limpeza para o estado do Rio de Janeiro. A doação em produtos chega ao valor de R$ 1 milhão, que será repassado para o governo carioca distribuir em hospitais, comunidades e entidades de assistência a idosos.

 

São Paulo e Pernambuco também receberam um milhão cada, o que corresponde a aproximadamente dois milhões de unidades doadas no total.

 

Ajuda a hospitais

 

Marfrig doará R$ 7,5 milhões ao Ministério da Saúde para compra de testes rápidos, doação suficiente para a compra de 100 mil testes.“Esperamos que nossa iniciativa seja seguida por outras companhias brasileiras”, diz Marcos Molina dos Santos, fundador e presidente do Conselho de Administração da Marfrig. “Este é um momento de união e de solidariedade.”

 

família Menin fez uma doação de R$ 10 milhões para a compra de respiradores mecânicos para a rede hospitalar do estado de Minas Gerais, uma ação em parceria com o Governo de Minas e a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais. As empresas Klabin, Suzano, Positivo, MagnaMed Tecnologia Médica e Flex se uniram numa força tarefa para produção de 5 mil ventiladores pulmonares para serem entregue em 30 dias.

 

Petrobras também informou que encomendou, nos Estados Unidos, 600 mil testes para diagnóstico da doença, que devem chegar ao Brasil em abril. De acordo com a empresa, 400 mil unidades serão entregues ao Ministério da Saúde e 200 mil à Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro.

 

mineradora Vale também comprou na China 5 milhões de testes rápidos para detectar a Covid-19. Eles serão entregues as autoridades brasileiras em abril. A empresa também está comprando de fornecedores chineses equipamentos de proteção individual, como óculos, luvas e máscaras, para médicos e enfermeiros. A Hering anunciou através de suas redes sociais, a produção de uniformes de proteção para os profissionais da saúde e doação dessas peças para diversos hospitais. O Grupo Arezzo anunciou que vai produzir e doar 25 mil máscaras de proteção, destinadas para a região do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul.

Magazine Luiza doou respiradores e monitores cardíacos para a Santa Casa de Franca, hospital Emílio Ribas e unidade do SUS na Vila Guilherme, onde fica sua sede na Zona Norte da capital paulista. Segundo a empresa, está em andamento a doação de outros 30 respiradores ao Estado de São Paulo.

A Magalu também doou 1.000 colchões e 1.000 travesseiros ao estado do Pará, que montou um abrigo no estádio do Mangueirão para tirar moradores de rua do ambiente de risco.

EDP, empresa do setor energético, anunciou a doação de R$ 6 milhões para a compra de 345 respiradores para UTIs da rede pública de São Paulo. A doação representa 25% da demanda pelo aparelho em todo o estado.

As Lojas Renner, anunciaram através do seu instituto social, a doação de R$ 4,1 milhões para compra de insumos para hospitais responsáveis por unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Riachuelo, antes de fechar as lojas no nordeste,  produziu 12 mil aventais hospitalares em suas fábricas do Rio Grande do Norte e despachou como doação, para hospitais públicos brasileiros de SP e RN.

 

Os três maiores bancos privados do país (Bradesco, Itaú Unibanco e Santander) montaram uma força tarefa para doar ao SUS, Sistema Único de Saúde, 5 milhões de testes rápidos, tomógrafos e respiradores para auxiliar no tratamento da doença.

 

“A primeira medida prática foi a formação de uma força-tarefa, composta por profissionais de cada uma das instituições, que definiu, sob orientação do Ministério da Saúde, a logística mais eficiente para a importação dos kits de testagem e dos equipamentos”, informaram os bancos.

 

O Itaú doou mais R$ 150 milhões para infraestrutura hospitalar, compra de cestas de alimentação e kits de higiene, através da Fundação Itaú para Educação e Cultura e do Instituto Unibanco.

 

CNI, Confederação Nacional da Indústria, lançou um edital de inovação no valor de R$ 10 milhões para apoio dessas iniciativas. A intenção é fomentar projetos que contribuam para a prevenção, diagnóstico e tratamento da Covid-19.

 

No Rio Grande do Sul, o Grupo Zaffari doou R$ 10 milhões para a compra de equipamentos e insumos para serem utilizados pelo governo do estado no combate a pandemia do novo coronavírus.

 

O presidente do Instituto Cultural Floresta (ICF), Leonardo Fração, informou que, além desta doação, um grupo de empreendedores decidiu no final de semana participar das ações e vão equipar os 105 novos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do bloco B do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA),  um dos prédios concluídos em 2019 e que ainda não foram equipados.

 

Fome

 

XP Inc. lançou a plataforma “Juntos Transformamos” que vai reunir doações para a compra de cestas básicas, que serão repassadas para famílias em situação de vulnerabilidade social. A companhia doou R$ 25 milhões para compra dos insumos, que devem ajudar 100 mil famílias e serão distribuídas, inicialmente, com o auxílio das ONGs Gerando Falcões, Amigos do Bem e Visão Mundial.

 

“Com essa crise, muitas pessoas já não têm mais o que comer. Não podemos nos omitir e temos que sensibilizar o máximo de pessoas possível”, afirmou Guilherme Benchimol, CEO do grupo. A Fundação Casas Bahia, controlada pela Via Varejo, anunciou investimentos de R$ 1 milhão em iniciativas em regiões periféricas, além de fornecer máscaras e luvas para as instituições de acolhimento a idosos em São Caetano do Sul, no ABC Paulista, onde está localizada a sede da Via Varejo. O McDonald’s doou refeições para profissionais de saúde no estado de São Paulo por meio do programa Bom Vizinho, para 29 instituições em 22 cidades: “Os nossos colaboradores responsáveis pelo preparo das refeições têm enviado mensagens de apoio e agradecimento junto às entregas. Essa é uma atitude que nos enche de orgulho e reflete o caráter humano que buscamos ressaltar no dia a dia de nossa companhia”, diz Paulo Camargo, presidente da Divisão Brasil da franqueadora Arcos Dorados.

 

Mobilidade

 

No setor aéreo, Gol e Latam estão transportando profissionais de saúde de graça, cobrando apenas a taxa de embarque. A Volkswagen do Brasil colocou à disposição dos governos de São Paulo e do Paraná, uma frota de 100 automóveis e picapes para serem utilizados em atividades de logística e transporte. A 99 doará R$ 4 milhões em corridas para a locomoção de profissionais de saúde. O benefício fornecerá, de início, 60 mil vouchers para a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo.


Ajuda financeira

Os cinco maiores bancos em operação no país se comprometeram a prorrogar dívidas dos seus clientes por, no mínimo, 60 dias – dar atendimento especial, aumento de limites e reduções de taxas para empréstimos. O Banco Inter aumentou o prazo de pagamento das faturas de cartão de crédito para correntistas com limite de crédito de até R$ 4.000, sem cobrança de juros ou multas. O Nubank separou R$ 20 milhões para ajudar o cliente a lidar com a crise em atendimento médico e psicológico remoto via vídeo (“teleorientação”), pedidos de supermercados e farmácias, entre outros serviços, durante a pandemia.

 

Plataformas que recebem doações


O governo federal lançou a plataforma “Todos por Todos”. Nela, empresas, entidades, associações e órgãos públicos poderão oferecer serviços e produtos gratuitamente para o enfrentamento ao novo coronavírus. O governo de São Paulo, estado com mais casos da doença no Brasil, também criou um site para facilitar as doações no combate à Covid-19. O governador João Dória, anunciou que a doação de R$ 96 milhões de 28 empresas será utilizada para compra de equipamentos e criação de novos leitos a partir das montagens de hospital de campanhas, que estão sendo construído nas cidades de São Paulo e Campinas.

 

#ListaFortes

Nas redes sociais foi criada a hashtag #ListaFortes, em alusão à Lista Forbes. A marcação agrupa na web as empresas oferecem ajuda, nesse momento gigante de solidariedade.

Compartilhar agora
X