Barbie cria boneca de cientista baiana que ajudou a sequenciar DNA do coronavírus

A biomédica Jaqueline Goes de Jesus, baiana de 31 anos, que liderou o sequenciamento do genoma do primeiro caso de coronavírus da América Latina, ganhou sua própria versão da boneca Barbie. O brinquedo faz parte de uma linha de bonecas que exalta seis mulheres que contribuíram significativamente para o enfrentamento da pandemia da Covid-19. A Barbie de Jaqueline veste jaleco semelhante ao que a biomédica traja no ambiente de trabalho, e usa um par de brincos de pérolas, que são uma das marcas registradas da pesquisadora.

 

Jaqueline é formada em biomedicina pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e pós-doutoranda no Instituto de Medicina Tropical de São Paulo da Universidade de São Paulo. Sua carreira começou como estudante de iniciação científica na Fiocruz da Bahia, com projetos que envolviam retrovírus. Desde então, estudou o comportamento de vírus como o HIV, o HTLV, fez o sequenciamento do zika vírus durante o surto de 2015 e 2016, e trabalhou com vigilância genômica dos arbovírus causadores da chikungunya, febre amarela e dengue.

 

Além dela, também foram incluídas na coleção, Sarah Gilbert, líder da equipe que desenvolveu a vacina da Oxford/AstraZeneca; Amy O’Sullivan, enfermeira que tratou do primeiro paciente com a infecção no Brooklyn, em Nova Iorque; a pesquisadora canadense Chika Stacy Oriuwa, que luta contra o racismo sistêmico na área da saúde; e as médicas Audrey Cruz, que luta contra a discriminação no sistema de saúde em Las Vegas, e a australiana Kirby White, cocriadora de um avental cirúrgico reutilizável para trabalhadores da linha de frente da pandemia.

 

*com informações do Metrópoles

Compartilhar agora
X