Pazuello nega ordens de Bolsonaro e diz que cláusulas da Pfizer eram ‘complicadíssimas’

No dia mais aguardado desde o início dos trabalhos, a CPI da Covid-19 ouve, nesta quarta-feira, 19, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, principal alvo das investigações sobre ações e omissões cometidas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia do novo coronavírus. Logo no início do depoimento, ele falou: “Perguntas com respostas simplórias, gostaria que não fossem feitas”, disse. O presidente da comissão, senador Omar Aziz, repreendeu: “Vossa Excelência não vai dizer para gente o que vamos perguntar ou não. Vossa Excelência está aqui para responder às perguntas dos senadores”, disse.

 

Eduardo Pazuello afirmou que “em momento algum o presidente da República me deu ordem para fazer nada diferente do que eu já estava fazendo”. “As minhas posições não eram contrapostas pelo presidente”, acrescentou. O senador Renan Calheiros questionou o ex-ministro sobre a ordem dada pelo presidente Jair Bolsonaro para cancelar o protocolo de intenção de compra da CoronaVac em outubro do ano passado. À época, Bolsonaro gravou um vídeo ao lado do general, que afirmou: “É simples assim: um manda e o outro obedece”. À CPI, Pazuello disse que a declaração foi “um jargão simplório colocado para discussões de internet. Nunca o presidente mandou eu desfazer qualquer contrato, qualquer acordo com o Butantan, em nenhuma vez”.

 

Eduardo Pazuello contradisse o depoimento do ex-presidente da Pfizer no Brasil Carlos Murillo. De acordo com o general do Exército, o governo brasileiro não deixou de responder às ofertas da farmacêutica e que tem provas de que houve resposta. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o ex-secretário de Comunicação da Presidência (Secom) Fabio Wajngarten também apresentou uma versão “totalmente diferente”.

 

O presidente Omar Aziz encerrou a sessão desta quarta-feira, 19. O ex-ministro Eduardo Pazuello passou mal no intervalo de seu depoimento e foi socorrido pelo senador Otto Alencar (PSD-BA). A oitiva será retomada nesta quinta-feira, às 09h30.

 

*com informações da Jovem Pan

foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Compartilhar agora
X