MEU DEUS: Fumar cotonete viraliza no TikTok, especialistas falam sobre os riscos:

 

Mais uma nova tendência do TikTok pode acarretar danos graves, mas os jovens parecem estar distantes de compreender os seus perigos. A notícia já saiu em Portugal e no Brasil revelando que os jovens estão fumando cotonetes.

 

Sobre essa questão o neurocientista luso-brasileiro Fabiano de Abreu Agrela falou dos perigos reais que o cotonete representa mesmo sem estar associado a essa nova tendência.

 

“A cera é um lubrificante natural para proteção do canal auditivo. Atua como uma barreira que impede a sujeira e objetos estranhos de entrar no tímpano. Os cotonetes podem empurrar a cera para dentro do canal auditivo e causar danos temporários ou permanentes”, alerta.

 

Contudo, e focando no assunto do momento, o neurocientista todas essas novas tendências advêm de o fato dos jovens querer fama rápida mesmo que para isso se tenham que colocar em perigo.

 

Para Abreu, “a necessidade de chamar a atenção, de ser visto, faz com que alguns jovens sem conhecimento tomem atitudes que para os mais sabidos parecem imbecis. Mas temos que levar em consideração a imaturidade, assim como a educação em casa. E os que seguem, também estão na mesma vibe dos que fazem, mas com menos coragem. Este aplicativo não impõe barreiras, é usado pelos mais jovens, que costumam ser mais imaturos, portanto, promovem muitas coisas negativas.”

 

Ao nível dos danos causados nos próprios usuários o neurocientista alerta que “as substâncias químicas tóxicas produzidas pela substância em queima afetam o pulmão e o cérebro. Inclusive afetando ainda mais a inteligência de quem fuma cotonete. A inalação de fumaça causa danos cerebrais caracterizados por ativação de astrócitos, danos neuronais e axônicos mielinizados e hemorragia. Partículas nos pulmões ou na corrente sanguínea podem alertar o sistema imunológico e desencadear inflamação no cérebro”, finaliza dizendo que infelizmente a juventude não pensa no longo prazo e em todas as nuances, prejudicando a sua saúde à toa.

 

O pneumologista Claudio Luiz Ferraz explica que o plástico, quando submetido a combustão, pode liberar substâncias que são comprovadamente danosas e cancerígenas. O algodão, por sua vez, causa uma doença já descrita há muito tempo.

 

“É uma coisa muito recente, então não deu tempo de conduzir estudos científicos mais apurados sobre o assunto. Mas, por princípio, a combustão, que gera a produção de fungos e fumaças, que vão ser inaladas pelos pulmões, sempre é potencialmente danosa, sempre, independentemente do material que vai ser submetido à queima”, diz o médico pneumologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

 

Compartilhar agora