Inusitado: após terminar noivado, homem decide se casar consigo mesmo

Por frustrações amorosas todo mundo passa, mas você já pensou na possibilidade de casar consigo mesmo? Foi o que fez o médico Diogo Rabelo, de 33 anos, que viralizou na internet com uma cerimônia de casamento pra lá de inusitada em um resort, com paisagem paradisíaca, em Itacaré, na Bahia.

 

Após um ano e meio de relacionamento, o companheiro do médico decidiu dar um fim ao noivado três meses antes da data marcada do casamento. Porém, ao invés de suspender o evento, que ele diz ter custado em torno de R$ 350 mil, o médico casou-se consigo mesmo. A cerimônia foi realizada no dia 17 de outubro para cerca de 40 convidados.

 

Já pensou se a moda pega?

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

A mim, Eu acredito que tudo seja vaidade. Tudo é efêmero e só o desconhecido, que procuro conhecer, me traz a paz em saber que Ele é eterno, Deus. E o que me liga a Deus se não a manifestação do amor? Por isso eu me desapego para ir ao encontro do criador. Eu me desapego de uma ilusão de felicidade, onde 1 + 1 = 1. Eu me desapego da ostentação, eu me desapego do orgulho e eu me entrego à humildade. Eu tenho a mim o que Nietzche afirma sobre “alegria trágica”, como aquele que celebra a vida porque ela é frágil, finita e sem sentido, ou seja, ser feliz, perdoar, acreditar, amar é uma escolha, e a nossa vida é feita de nossas escolhas, simples. Mas, Diogo, se a vida é sem sentido, qual seria o sentido disso tudo? Viver é perder-se. É preciso ter coragem para descobrir seu sentido. É preciso beber da vida para saber seu gosto. É preciso entregar as fichas para alguém e ser traído para saber o valor das suas fichas. A gente cresce na experiência, e quando me perguntares por que tatuei “pain” em meu braço, é para lembrar de que a evolução, infelizmente, vem com dor e choro. Chega um momento em nossa vida que para continuarmos é necessário largar nossos hábitos, vícios, lembranças e traumas para poder seguir adiante. E este ato simbólico de casar comigo mesmo é o meu ponto mais alto de expressão ao meu amor próprio. Eu aprendi que tenho o meu valor e que eu não preciso ser amado por ninguém para me sentir bem. E vou além: eu não preciso mudar minha personalidade ou o meu jeitinho de ser para que alguém possa ficar comigo. Eu descobri o meu valor e eu amo quem eu sou, eu amo a minha história, de onde eu vim, pelo o que passei, e tenho foco aonde eu quero chegar. E para finalizar, eu afirmo o meu maior desejo: que eu nunca deixe de acreditar no amor. Que eu perca a razão, que eu perca a cabeça, mas que eu não perca o amor. “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”, sim, hoje está sendo um dos dias mais felizes da minha vida, pois eu estou com as pessoas que mais amo nessa vida, celebrando o que poderia ser uma tragédia, mas fiz uma comédia 🖤

Uma publicação compartilhada por Dr Diogo Rabelo CRMSP 161208 (@drdiogorabelo) em

foto: reprodução/Instagram

Compartilhar agora
X