Desentendimento entre as prefeituras de Petrolina e Juazeiro em meio a pandemia. Entenda:

Na  quarta feira (10), o vereador e líder da bancada de oposição na Casa Plínio Amorim, Paulo Valgueiro (PSD), denunciou à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público Federal (MPF) um possível superfaturamento no valor da compra das máscaras descartáveis destinadas ao enfrentamento do coronavírus.

 

Em documentos apresentados à denúncia, o vereador fez o orçamento do mesmo produto, comparando o valor praticado no mercado para vendas à iniciativa privada, o valor na venda a outros entes governamentais da região e o valor da dispensa de licitação da prefeitura, o que serviu para confirmar o sobrepreço das máscaras adquiridas pela prefeitura: “Num cálculo simples, enquanto a gestão comprou a unidade da máscara por R$ 3,73, a Prefeitura de Juazeiro (BA), numa quantidade bem menor, o que normalmente coloca o preço para cima, adquiriu o mesmo equipamento de proteção pelo valor unitário de R$ 1,50” relatou.

 

Em nota publicada, a administração municipal de Petrolina explicou que as máscaras adquiridas para os profissionais da rede de saúde que atuam no combate e tratamento contra a Covid-19 são diferentes daquelas denunciadas pelo vereador. Ainda conforme a nota, a prefeitura diz que Valgueiro “cria factoides” para enganar os petrolinenses: “A Prefeitura de Petrolina lamenta que certos políticos se utilizem dos seus cargos para enganar a população e criar factoides, principalmente neste período de pandemia. Fica claro, na denúncia em questão, que as máscaras as quais o vereador se refere não possuem caraterísticas iguais. Ao observar a descrição do produto, as máscaras adquiridas pelo município de Petrolina têm tripla camada e tecido filtrante, totalmente diferente das demais usadas como comparativo”, escreveram.

 

A nota publicada acabou respingando e gerando um desentendimento com a administração pública de Juazeiro ao referencia-la entre outras cidades, no comparativo de valores das compras das máscaras e suas especificações. Em nota publicada, a assessoria de comunicação da cidade baiana disse que a cidade vizinha foi “irresponsável e leviana” em  busca de  responder ao vereador Paulo Valgueiro. Então pontuaram os reais valores pagos nas aquisições das máscaras e completou, “Portanto, está claro que a Prefeitura de Petrolina comparou produtos diferentes, leviana e irresponsavelmente lançou dúvidas sobre o processo de compras de Juazeiro. Tal postura é inaceitável”, escreveram.

 

Por Pablo Henri

Compartilhar agora
X