Audiência de instrução de Marcelo da Silva, no Caso Beatriz Mota Beatriz, será retomada nesta quinta-feira

Será retomada nesta quinta-feira (15), a audiência de instrução de Marcelo da Silva, acusado de assassinar a menina Beatriz Angélica, de 7 anos, no dia 10 de dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Uma testemunha da defesa, que não foi localizada na audiência do dia 23 de novembro, e o réu devem ser ouvidos.

 

A audiência de instrução começou no dia 22 de novembro, com o depoimento de seis testemunhas da acusação, inclusive a mãe de Beatriz, Lúcia Mota. No dia 23, eram pra ter sido ouvidas dez pessoas, duas apresentadas pelo Ministério Público e oito pela defesa, além do depoimento do réu.

 

No entanto, duas testemunhas não foram ouvidas. Uma delas foi dispensada e outra não foi localizada. Com isso, o advogado de defesa, Rafael Nunes, solicitou dispensa e Marcelo não se pronunciou.

 

O objetivo da audiência de instrução é definir se o réu, Marcelo da Silva, será ou não levado a júri popular. Ele foi apontado pela polícia como autor do crime em janeiro deste ano, e já estava preso respondendo por outros crimes. Na época, Marcelo confessou o assassinato. Poucos dias depois, o advogado de defesa, Rafael Nunes afirmou que o cliente escreveu uma carta dizendo ter sido pressionado a confessar o assassinato.

 

Relembre o caso

Beatriz Angélica foi morta em 10 de dezembro de 2015, quando estava na formatura da irmã, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora. Segundo investigações, a menina recebeu dez facadas.

 

Ela saiu do lado dos pais para beber água e desapareceu. Vídeos registraram o momento em que a menina saía da solenidade. O corpo de Beatriz foi achado dentro de um depósito de material esportivo da instituição, com uma faca do tipo peixeira cravada na região do abdômen. A menina também tinha ferimentos no tórax, membros superiores e inferiores.

 

Marcelo da Silva foi apontado como suspeito de matar Beatriz no dia 11 de janeiro deste ano. Ele já estava preso respondendo por outros crimes.

 

Com informações G1/Petrolina

Fotos: Reprodução/Emerson Rocha

Compartilhar agora