Sapopemba? Juazeiro? Andrezza Santos cruza fronteiras com o disco “Eutrópica”; bora ouvir?

O interior da Bahia, a zona leste de São Paulo, a calmaria e o ruído são alguns dos cenários sonoros que Andrezza Santos traz para “Eutrópica”, seu novo álbum de estúdio, uma trilogia que estreia no dia 20 de maio e se desenvolve ao longo dos próximos meses de 2021. O álbum é feito com as narrativas do Eu de Andrezza, que musicou suas andanças e ‘cheganças’ desde Sapopemba, bairro da capital paulista onde viveu a maior parte da vida e que dá título a esta primeira parte do disco, até acolher-se em Juazeiro, norte da Bahia, a partir de 2015.

 

“Eutrópica” é sobre mudanças e deslocamentos, sobre o tempo entre um sonho e o outro, entre uma estação de trem e a próxima. Para Andrezza, o disco é uma massa sonora para a qual ela não exitou em explorar os contrastes: a urbanidade da metrópole com o semiárido, a cidade cinza e a bela natureza do Vale do São Francisco, paisagens que inspiraram diretamente nas sonoridades apresentadas como rock, soul music, música brasileira – do maracatu à bossa nova – e diversos sotaques latinos, como tango e salsa.

 

As quatro faixas que compõem a primeira parte de “Eutrópica” mostram uma compositora e cantora nada tímida, que solta a voz para cantar dores de amor, como em “A Gente Ia Longe” (primeiro clipe do disco, lançado em abril), mas também o desapego em “Vagão Vazio”. A blueseira “Sem DDD” vai agradar os saudosos do piano rock com timbres setentistas e um swing especial, já em “Cheganças” emerge uma soul music combinada com maracatu e de melodia assobiável.

 

“Eutrópica” é como uma colcha de retalhos que foi costurada com sorrisos e lágrimas e, por isso mesmo, reflete os altos e baixos através de peso, leveza, drama e alegria, um roteiro cotidiano que rendeu, além do disco, a série em vídeo que Andrezza liberou antes do lançamento das músicas, em que conta sua história marcada por muitas mudanças. Este trabalho é “um pulsar de compressão e descompressão”, como descreve ela, atributo percebido facilmente com a primeira parte do álbum.

 

O projeto “Eutrópica” tem apoio financeiro do Estado da Bahia, através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia), via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

Ouça Eutrópica: Sapopemba

 

foto: Fernando Pereira/divulgação

Compartilhar agora
X