RENDEU! Wesley Safadão depõe à polícia em investigação sobre vacinação irregular contra a Covid

Wesley Safadão foi ouvido nesta quarta-feira (15), pela Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate à Corrupção (Decor), que investiga irregularidades na vacinação do cantor contra a Covid-19 e a suposta vacinação irregular da digital influencer Thyane Dantas e da produtora do artista, Sabrina Tavares. Conforme a polícia, o inquérito policial está em fase de conclusão. “Mais detalhes serão repassados em momento oportuno para não comprometer os trabalhos policiais”, disse a polícia.

 

Thyane Dantas furou a fila da vacina contra a Covid-19 em um shopping de Fortaleza mesmo sem estar na faixa etária determinada como público-alvo pela Prefeitura. Ela tinha 30 anos de idade, e o recorte de aplicação era para pessoas com 32 anos ou mais. Ela também não estava agendada para receber o imunizante. Duas colaboradoras do Município de Fortaleza, atuantes na vacinação do casal, afirmaram em depoimento à Sindicância realizada pela Prefeitura, que a influenciadora digital disse ter idade diferente da real durante o processo de imunização.

 

Já Wesley Safadão e a produtora Sabrina Tavares estavam agendados para serem vacinados no dia 8 de julho no Centro de Eventos, mas foram a outro posto de vacinação, o mesmo em que Thyane foi vacinada. O Ministério Público apura se eles se dirigiram a outro local para escolher o imunizante.

 

Corrupção passiva – O Grupo Servnac, que possui contratos de serviços de mão de obra terceirizada com a Prefeitura de Fortaleza, se posicionou, em nota, nesta quinta (16), e pediu acesso à sindicância da prefeitura que demonstra, conforme a Secretaria Municipal da Saúde, a participação dos dois trabalhadores terceirizados e de uma servidora pública. Com isso, a Servnac quer ter subsídios para “decidir as medidas cabíveis a serem tomadas”.

 

As apurações internas apontam possível crime de corrupção passiva por parte de três colaboradores da Prefeitura de Fortaleza. A decisão foi assinada pela secretária municipal da Saúde, Ana Estela Leite, e publicada no Diário Oficial do Município de 6 de setembro. A Secretaria indicou à empresa que os contratos dos terceirizados sejam rescindidos por justa causa em razão de “ato de improbidade”. A outra envolvida no caso é uma técnica de enfermagem e servidora pública do município. Contra ela, de acordo com a Secretaria da Saúde, será aberto um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD).

Compartilhar agora
X