Percebeu que cebola e o tomate ficaram mais caros em janeiro? Entenda por que:

Problemas climáticos e intervalo de safra encareceram a cebola e o tomate no mês de janeiro, mas a expectativa é de melhora nos preços pelos próximos meses, afirmam especialistas.

 

As duas hortaliças foram destaque de alta no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro, divulgado nesta terça-feira (9). O IPCA, que mede a inflação oficial do país, subiu 0,25% no mês passado, liderado pelo grupo dos alimentos, que avançou 1,02%.

 

 

A cebola disparou 17,58% em relação a dezembro; o tomate aumentou 4,89%. Os dois alimentos já vinham de uma alta em 2020, acumulando no ano crescimentos de 14,49% e 52,76% (a cebola e o tomate, respectivamente). O novo aumento dos preços acontece desde a segunda quinzena de dezembro, depois de uma leve baixa nos seus valores no início do mês passado.

 

Os altos preços da cebola são causados por uma falta de oferta do legume no mercado, por causas de problemas durante o seu cultivo. O tomate, que já vinha de forte alta em 2020, teve nova subida nos preços provocada por um intervalo de safra concentrado no início do mês de janeiro, afirma o pesquisador João Paulo Deleo, que também é do Cepea (Esalq-USP). (G1)

Compartilhar agora
X