Ministério da Saúde também confirma que morte de adolescente não está relacionada à vacina contra covid-19

O Ministério da Saúde confirmou que a adolescente de 16 anos que morreu uma semana depois de ser imunizada com a vacina da Pfizer faleceu vítima de púrpura trombocitopênica trombótica, doença autoimune que predispõe a formação de coágulo e pode levar à morte. Na sexta-feira, a Secretária Estadual da Saúde de São Paulo já havia informado a mesma causa para o óbito. No documento que ainda será divulgado, o Ministério afirma que a morte não tem associação com a vacina.

 

“Não dá para estabelecer uma vinculação”, disse Queiroga à colunista Monica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo, que acrescentou ainda que a decisão de interromper a campanha se deu por uma questão de logística e de disponibilidade de vacinas.

 

“A PTT é uma doença autoimune, rara e grave, normalmente sem uma causa conhecida capaz de desencadeá-la, e não há nenhum relato técnico até o momento que aponte este quadro como evento adverso pós-vacinação após primeira dose de uma vacina contra COVID-19 de RNA mensageiro, como é o caso da Pfizer”, disse a Saúde de São Paulo na sexta, a partir de uma análise feita por 70 profissionais.

 

foto: Sérgio Bernardo/SEI

Compartilhar agora
X