“Jeitinho brasileiro?” Início de vacinação mostra também os “fura-filas”

Em pelo menos sete estados, neste começo de campanha de vacinação contra a covid-19 estão sendo denunciados casos de fura-fila. As escassas doses da CoronaVac que distribuídas, e que deveriam imunizar pessoas que fazem parte do grupo prioritário, estão sendo aplicadas em gente que não pertence ao perfil que teria de ser atendido primeiramente. Os ministérios públicos estaduais e federal estão apurando oito episódios de oportunismo, sobretudo, porque estão registrados pelos próprios furadores de fila nas redes sociais.

 

O primeiro caso a vir à tona foi em Manaus, exatamente onde existe uma crise de leitos e de oxigênio na rede pública de saúde, que causou, dias atrás, várias mortes por asfixia e obrigou a prefeitura do município e o governo do estado a repassarem pacientes de covid-19 para outras unidades da Federação.

 

Recém-formados em medicina, David Dallas, filho do deputado estadual Wanderley Dallas (Solidariedade), e as gêmeas Gabrielle e Isabelle Kirk Lins, filhas de um empresário local, fizeram questão de publicar que estavam recebendo a CoronaVac. E pra piorar, das irmãs, uma foi nomeada pela prefeitura na véspera, enquanto os outros dois foram contratados no dia da vacinação. Por conta disso, a prefeitura suspendeu a campanha de imunização a pretexto de uma “reformulação” — forçada pelo Tribunal de Contas do Estado, que havia alertado para episódios de gente furando fila. Um claro abuso de poder.

 

Na Paraíba, o Ministério Público Federal (MPF) investiga se o prefeito de Pombal, o médico obstetra Abmael de Sousa Lacerda (MDB), o Dr. Verissinho, furou a fila, pois foi a primeira pessoa a tomar a vacina na cidade e não faz parte dos grupos prioritários. Ele tem 66 anos e registrou a imunização em vídeo.

 

Outros casos parecidos aconteceram em Natal/RN, Juazeiro do Norte/CE, Jupi/PE, Itabi/SE e no Pará. (Com informação do Correio Brasiliense)

Compartilhar agora
X