Dupla infecção, nova variante da Covid na França e a gente não tem um dia de paz

Como se já não bastasse o surto de Covid-19, Influenza H3N2, Ômicron e gripe, agora temos a Flurona, que é justamente a combinação entre o vírus da Covid mais Influenza A.

 

Na Bahia, foram registrados oito casos da dupla contaminação por Covid-19 e gripe. Esses casos foram registrados em Salvador, Feira de Santana e Camaçari. Além disso, as duas Prefeituras anunciaram também que têm pacientes com co-infecção.

 

Em comunicado oficial, Tereza Paim, secretária estadual da Saúde explicou sobre os casos: “Temos notificados 1.400 casos de Influenza H3N2, temos ainda 35 óbitos e oito casos de co-infecção, ou seja, pessoas que têm ao mesmo tempo Covid-19 e Influenza H3N2”, revelou.

 

De acordo com um levantamento da CNN, casos de coinfecção por Covid-19 e Influenza já foram registrados em sete estados brasileiros. Os registros de infecção simultânea aconteceram no Ceará, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Mato Grosso.

 

Esse ‘fenômeno’ de contaminação por Covid-19 e gripe simultaneamente vem sendo chamado de “Flurona”, que é justamente a junção das palavras “flu” (gripe, em inglês) e “coronavírus”. A expressão foi usada pela primeira vez após a confirmação do primeiro caso em Israel.

 

NOVA VARIANTE FRANCESA

 

Uma nova variante foi identificada na França com mais de 40 mutações genéticas, sendo que uma está associada diretamente ao potencial aumento da transmissão do vírus. Trata-se da “Ihu”, batizada pelos cientistas com as iniciais do instituto (IHU), e deriva de outra, a B.1.640, detectada no fim de setembro de 2021 na República do Congo e atualmente sob vigilância da Organização Mundial da Saúde.

 

 

Na França, os primeiros casos da nova variante, que tem designação técnica B.1.640.2, foram observados na localidade de Forcalquier, na região de Provença-Alpes-Costa Azul.

 

Na mesma região, mas em Marselha, uma dezena de casos surgiram associados a viagens aos Camarões, país que faz fronteira com a República do Congo.

 

O IHU de Marselha, especialista em doenças infecciosas, é dirigido pelo médico Didier Raoult, que recebeu advertência da Ordem dos Médicos francesa por ter violado o código de ética. Ele promoveu o uso do remédio antimalária hidroxicloroquina como tratamento para a covid-19 sem provas de sua eficácia.

 

Compartilhar agora
X