Cenografia do Carnaval de Juazeiro 2020 inicia clima festivo

Com o tema ‘As cores da nossa história’, a ornamentação que enfeitará os três Pólos do Carnaval de Juazeiro 2020 durante os três dias de festa que já começa na próxima sexta-feira, 07, e vai até o domingo dia 09, já começa a surgir pelas ruas. Características da região como a cultura, a economia e o patrimônio histórico, protagonizam a temática da cenografia produzida pelos artistas Lulinha, Euri Mania e Ruy Carvalho. Além disso, busca homenagear o ator e comediante Cláudio ‘Lolly’ Damasceno, falecido há 10 anos.

 

A temática varia de acordo com cada Pólo. Na Av. Adolfo Viana – 1ª parte do Pólo Ivete Sangalo – a fruticultura irrigada, o patrimônio histórico da cidade e figuras mitológicas como a carranca prometem embelezar o trajeto por onde circulam os trios elétricos. Os mitos e lendas do Vale do São Francisco estarão presentes na ornamentação da 2ª parte do Pólo Ivete Sangalo na Orla I e na Orla II – Pólo João Gilberto.

 

“Enquanto isso, a cenografia da praça São Tiago Maior, onde estará  o Pólo Luiz Galvão, nos lembrará personagens importantes da história juazeirense a exemplo dos vaqueiros, das lavadeiras do Angari e do Samba de Véio da Ilha do Rodeadouro”, afirma o Supervisor de Turismo da Prefeitura Municipal de Juazeiro, Edvaldo Francioli.

 

Nascido em Juazeiro, o artista visual Ruy Carvalho conta que essa foi a primeira vez em que deixou no Vale do São Francisco a sua marca por meio da arte. Morando em Salvador desde 1982, Ruy já expôs obras no Rio de Janeiro, Portugal, França e Alemanha. “É uma honra poder fazer parte dessa produção e me sinto muito feliz pela liberdade que me permitiram ter para criar e construir esses trabalhos”, declara. Ao lado de Lulinha e Euri Mania, o juazeirense materializou a alegria carnavalesca em obras artísticas pela cidade.

 

Ruy Carvalho também assina as ‘figuras humanas’ – painéis em tamanho gigante que ilustram personagens conhecidos da história de Juazeiro. Um deles é Lolly, personagem da cena teatral cômica que ganhava vida através do artista Cláudio Damasceno, falecido há dez anos. A escolha em homenageá-lo, segundo Francioli, parte da importância que o ator possui no cenário artístico local. “Lolly levou o nome de Juazeiro para todo o país e essa homenagem é uma forma de reconhecer o trabalho que esse ator deixou para a história cultural de Juazeiro”, ressalta.

X