CASO BEATRIZ: Justiça de Pernambuco autoriza reconstituição do crime com a participação do acusado

O Judiciário pernambucano autorizou a participação de Marcelo da Silva, preso pelo assassinato da menina Beatriz Mota, de 7 anos, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em 2015, no reconhecimento de pessoas e reconstituição do crime. De acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), os procedimentos com a participação do acusado , devem ser feitos até o próximo sábado (12).

 

 

Portanto, Marcelo, que está no Presídio de Igarassu, no Grande Recife, teria que ser levado para a unidade de Petrolina. Em nota, o TJPE informou que o juiz Cícero Everaldo Ferreira Silva, da 4ª Vara Regional de Execução Penal de Petrolina, permitiu que o réu decida se vai participar da reprodução simulada, na condição de “pessoa suspeita/investigada”.

 

 

Para que ocorra a simulação, o juiz determinou que sejam adotados cuidados necessários quando se trata de casos sensíveis, como recolher o detendo em uma cela individual por um período mínimo necessário e possibilitar o contato do preso com o advogado.

 

 

Em relação ao transporte de Marcelo da Silva, o juiz pediu, ainda, que seja feita escolta por agentes penais e que, além disso, se ele alegar ou apresentar qualquer sinal de violência, seja submetido a uma perícia médica.

 

 

Além disso, foi pedida a garantia da segurança das pessoas envolvidas no reconhecimento, que pode ser feito na delegacia ou em “outro local apropriado”.

Compartilhar agora
X