Bolsonaro sugere desobrigar uso de máscara em vacinados e pessoas que já pegaram covid; especialistas comentam

O presidente Jair Bolsonaro declarou que pediu um parecer ao Ministério da Saúde para desobrigar o uso de máscaras por quem estiver vacinado contra a covid-19 ou ainda por quem já tiver contraído a doença. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que espera que o estudo sobre máscaras seja entregue “o mais rápido possível”, mas que é necessário “vacinar a população brasileira e avançar”.

 

Apesar de pessoas que tiveram a covid-19 desenvolverem anticorpos para a doença, esta proteção não é considerada definitiva, diante do risco de reinfecção e das variantes do novo coronavírus. Por isso, especialistas e entidades de saúde como a OMS e o Instituto Butantan contestam a proposta do presidente e recomendam o uso de máscaras, inclusive entre vacinados e pessoas que já ficaram doentes. Leonardo Costa, PhD em Fisioterapia com mais de 20 anos de experiência clínica, comentou sobre o assunto.

 

“No Brasil, a taxa de transmissão ainda é muito, então a chance de você pegar a doença, mesmo vacinado, ainda é grande. Na Austrália, a taxa de transmissão é praticamente zero, então a chance de você pegar [a doença] é pequena porque o vírus não está circulando tanto lá. Considerar, em algum momento no Brasil, tirar a máscara […] você vai se expor ao risco de forma desnecessária, e você não deveria fazer isso nesse momento. Sim, usar máscara às vezes é chato, desconfortável, mas sim, a máscara é mais uma camada de proteção que você deveria utilizar mesmo estando vacinado, em um momento que a taxa de transmissão ainda é alta. Cada sistema imunológico funciona de uma forma, tem pessoas que talvez tenham o sistema imunológico em dia […], em outras, pode não funcionar de forma adequada. Esse é um assunto que nem deveria estar sob estudo nesse momento”, disse em um vídeo publicado nas suas redes sociais.

 

Pedro Hallal, epidemiologista e professor da UFPEL disse que “se os vacinados não usarem máscara, podem contribuir para a disseminação do vírus”. Gonzala Vecina Neto, professor da FSP-USP acrescentou que “o tipo de imunidade conferida por ter a doença não é a mesma obtida pela vacina”. Vitor Mori, membro do Observatório da Covid no Brasil, também ressaltou a necessidade do uso, e justificou o cenário de transmissão descontrolada.

 

foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Compartilhar agora
X