BOAS NOTÍCIAS: Após vacinas, Pfizer e AstraZeneca desenvolvem medicamentos para tratamento da covid-19

Depois da corrida das vacinas, os laboratórios desenvolveram medicamentos que podem ajudar no tratamento da doença, mas ainda são pouco difundidos. Dois desses fármacos são da Pfizer e da AstraZeneca, porém ainda são pouco distribuídos mundialmente, seja por questões regulatórias ou simplesmente por desconhecimento. A pílula da Pfizer, a Paxlovid, é recomendada para tratar sintomas pós infecção, reduzindo a chances da Covid se tornar grave.

 

Autorizado para uso nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e outras regiões da Europa, o medicamento tem nesta quarta-feira, 30, um dia decisivo para a liberação do uso no país. Isto porque a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analisa hoje se autoriza o uso emergencial da medicação no Brasil. O pedido para utilização do remédio foi enviado pela farmacêutica em 16 de fevereiro.

 

Segundo a Pfizer, a pílula antiviral tem 89% de eficácia na prevenção de hospitalizações e mortes de pacientes de alto risco contaminados pelo novo coronavírus. Nos EUA, a autorização para uso da Paxlovid foi dada apenas para pessoas de alto risco, isto é, maiores de 65 anos ou com comorbidades. Ou seja, o uso do medicamento é uma boa solução para ajudar no tratamento de pessoas mais vulneráveis e a vacina contra a Covid-19, seja ela da Pfizer ou de outro laboratório, ainda é a melhor medida para evitar casos graves da doença.

 

Já a AstraZeneca desenvolveu uma injeção (que não é a vacina) que pode ajudar os imunossuprimidos e pessoas que por alguma condição médica não podem se vacinar, a se proteger contra complicações da Covid-19. A Evusheld, que tem seu uso emergencial autorizado no Brasil desde 24 de fevereiro. Em testes, a Evusheld reduziu em 77% o risco de desenvolver Covid-19 sintomática, segundo o órgão regulador do Reino Unido. No Brasil, a Anvisa afirma que a profilaxia pré-exposição ao coronavírus com o Evusheld “não substitui a vacinação para indivíduos em que a vacinação contra a Covid-19 seja recomendada”. As informações são da Veja

 

foto: Pixbay (ilustrativa)

Compartilhar agora
X